Miranda Brasil
Image default
saúde Sem categoria

Conheça os tratamentos para os cânceres mais comuns no país

Relatório do Inca estima que, só este ano, serão 704 mil novos casos da doença no país. 

 

O Instituto Nacional de Câncer (Inca) estima que o Brasil terá 704 mil novos diagnósticos da doença este ano, conforme indicado no relatório para o triênio 2023-2025. Os tipos mais comuns citados no documento são pele não melanoma, mama feminina, próstata, cólon e reto, pulmão e estômago, nesta ordem. O diagnóstico precoce e a realização do tratamento indicado para cada caso são apontados como fundamentais para a cura.

A perspectiva de crescimento dos casos de câncer não se restringe ao território nacional. O novo estudo do Global Cancer Observatory (Globocan), uma base de dados estatísticos de câncer da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer (IARC, na sigla em inglês), calcula que, em 2050, o mundo deve registrar mais de 35 milhões de diagnósticos da doença. 

Para os países menos desenvolvidos ou em desenvolvimento, incluindo o Brasil, o aumento deve superar os 100%. O Inca estima que, em 2050, o Brasil possa registrar 1,4 milhão de casos da doença.

Segundo o Ministério da Saúde, a probabilidade de cura varia de acordo com o tipo de câncer e seu estágio. 

O diagnóstico precoce aumenta as chances de recuperação plena. O câncer de cólon e reto, se identificado precocemente, tem uma probabilidade de cura de 90%. O mesmo percentual é observado para o câncer de pele não melanoma, quando é detectado em uma fase inicial e removido completamente. Conforme o Ministério da Saúde, após cinco anos sem evidência da doença, a probabilidade de recorrência é muito pequena para qualquer tumor. 

Tratamentos são diversificados e variam conforme o caso

Os tratamentos para o câncer têm evoluído e se diversificado, contribuindo para o aumento das taxas de cura e a melhoria da qualidade de vida dos pacientes. A indicação dos métodos a serem utilizados depende de vários fatores, como o estágio da doença, o tipo de câncer e a saúde do paciente.

A cirurgia é o tratamento inicial para os tumores que não se disseminaram para outros órgãos, segundo informações do Ministério da Saúde. Em alguns casos, como o tratamento de câncer de cólon e reto estágio 0, a intervenção cirúrgica pode ser o único tratamento necessário.

No caso de um câncer de pele não melanoma, o tratamento também costuma envolver a cirurgia para remover o tumor. Em alguns casos, a radioterapia pode ser necessária, especialmente se o câncer não puder ser completamente removido com a intervenção cirúrgica. Além disso, medicamentos tópicos podem ser usados para tratar alguns tipos de câncer de pele não melanoma em estágios iniciais, ou ainda o transplante, segundo a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO). 

Entre os principais tipos de transplantes no Brasil está o de pulmão, que pode ser uma oportunidade de tratamento e cura do câncer, segundo a ABTO. Conforme os dados do Registro Brasileiro de Transplantes, desde 2013, já foram realizados 917 transplantes desse órgão e, em março de 2023, a lista de espera para essa cirurgia continha 167 pacientes adultos e 7 pediátricos.

O câncer de mama feminina também pode ser tratado com cirurgia para remover o tumor. Isso pode ser seguido por radioterapia, quimioterapia ou terapia hormonal, dependendo do tipo e estágio do câncer. O mesmo pode acontecer no tratamento de câncer de próstata, cólon e reto, estômago e pulmão. A associação de tratamentos ou a indicação de apenas um deles dependerá do estágio da doença e da saúde do paciente. 

Para a prevenção do câncer de próstata, assim como da mama, as pessoas com o histórico das doenças na família devem antecipar o início dos exames anuais. O médico pode orientar sobre a idade ideal para iniciar o check-up.

A quimioterapia é uma terapia sistêmica que pode ser usada para reduzir o tamanho do tumor antes da cirurgia ou da radioterapia, podendo também ser indicada após os dois procedimentos para destruir as células cancerígenas remanescentes.

Leia também:

Related posts

10 exemplos de tecnologia na educação e como aplicar

Marlon

Desvendando a medicina moderna: para que serve a ressonância magnética?

Gilson Rodrigues

Ambulância UTI móvel: O que é e como funciona?

Gilson Rodrigues